Sinspurs busca na justiça manutenção do repasse da inflação para os servidores

Sindicato protocolou ações na justiça para impedir que o repasse do IPCA seja retirado do salário dos servidores públicos municipais
Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Em julho os servidores públicos do estado foram surpreendidos com uma decisão do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE/SC) que voltou atrás no entendimento da própria corte sobre o repasse da inflação no salário dos servidores.

No ano passado, uma decisão do próprio TCE/SC permitiu que os servidores de Santa Catarina tivessem a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) repassada aos valores salariais recebidos.

A decisão partiu de uma nova deliberação sobre o assunto após uma consulta formulada pela AMMVI (Associação de Municípios do Médio Vale do Itajaí). O reajuste de salário e benefícios para servidores públicos no Brasil foi suspenso após a criação da lei que instituiu o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus, a Lei Federal 173/2020.

A norma veda o aumento de gastos com pessoal até 31 de dezembro de 2021. Porém a lei tem sido alvo de muitos questionamentos uma vez que a Constituição Federal prevê a concessão de revisão geral anual à remuneração e subsídios dos servidores públicos.

A lei 173 também abre a possibilidade do repasse da inflação em seu artigo 8º, como explica a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Rio do Sul e Região, o Sinspurs, Arlete de Souza.

“Os servidores públicos estão pagando quase a totalidade da conta da crise gerada pela pandemia do coronavírus. Já tivemos uma série de direitos congelados, como licenças e progressões. Agora até o repasse inflacionário nos salários dos servidores, que é uma garantia da Constituição para preservar o poder aquisitivo dos trabalhadores querem retirar”, comenta Arlete.

A presidente do Sinspurs ainda reforça que são os trabalhadores e trabalhadoras do serviço público que estão atuando para garantir que a população tenha atendimento e atenção nesse período. “A nossa categoria, que está sendo duramente atingida neste momento, é formada pelos profissionais de saúde, enfermeiros, técnicos, médicos, que estão na linha de frente. Também pelos professores que tiveram trabalho redobrado com as atividades em casa e por tantos outros profissionais que não se furtaram em exercer o serviço público na sua concepção principal”, completa.

Para enfrentar essa decisão o Sinspurs ajuizou ações no Judiciário para garantir que o repasse do IPCA não seja retirado dos servidores municipais da base de atuação territorial do sindicato.

“Já protocolamos mandados de segurança com o objetivo de impedir que as Prefeituras de Laurentino, Atalanta e Aurora retirem o valor da inflação repassado aos salários destes servidores e estamos no aguardo de decisões liminares para então, agravarmos ao Tribunal de Justiça caso as Liminares sejam negadas, ou comemorar, caso sejam concedidas”, comenta o advogado Fernando Rodrigo Mroskowski, assessor jurídico do Sinspurs.

“O sindicato aguardou os atos coatores de cada município para então propor as medidas jurídicas cabíveis”, explica a advogada Ariane Aparecida de Campos, assessora jurídica do Sinspurs. Salienta ainda, que não medirão esforços na busca por assegurar a manutenção do repasse do IPCA aos servidores, visto que trata-se de direito adquirido e que tais valores constituem “verba alimentar” dos servidores públicos.

Justiça em Rio do Sul já se manifestou sobre a questão

A justiça em Rio do Sul já se manifestou sobre o mandado de segurança proposto pelo Sinspurs. O pedido foi negado pois no entendimento do juiz da comarca, tanto a determinação do TCE/SC quando a forma como a Prefeitura de Rio do Sul procederam são legais.

O município de Rio do Sul encaminhou a suspensão do repasse do IPCA através de um decreto, o que na visão da assessoria jurídica do sindicato não tem legalidade.

“Um decreto não pode ser mais forte que uma lei, como o salário dos servidores é estabelecido por uma Lei Orçamentária aprovada no ano anterior, qualquer alteração só poderia ser proposta através de outra lei apresentada, debatida e tramitada no poder legislativo”, informa o advogado Fábio Roussenq, assessor jurídico do Sinspurs.

O advogado também comenta que o Tribunal de Justiça do Estado já tem concedido liminares no sentido de manter o repasse do IPCA para diversos municípios do estado e que o Sinspurs irá recorrer ao tribunal.

“O Tribunal de Justiça em Florianópolis já concedeu diversas liminares para sindicatos e inclusive para os municípios que eles próprios questionaram essa determinação do TCE e que com isso o Sinspurs irá recorrer da decisão do juízo de Rio do Sul”, completa.

Prefeitura de Lontras busca o judiciário contra entendimento do TCE

No caso de Lontras, município que também faz parte da base de atuação territorial do Sinspurs, o sindicato não ajuizou ação por que o próprio poder executivo do município questionou a decisão do Tribunal de Contas na justiça.

A administração daquele município também entrou com um pedido de mandado de segurança para manter o repasse da inflação para os seus servidores. A ação tramita na mesma vara do Fórum da ação dos servidores de Rio do Sul e o pedido foi negado pelo juiz no começo da tarde desta quinta-feira (22).

Sinspurs aguarda agora qual encaminhamento que a administração de Lontras irá tomar para se manifestar sobre a questão destes servidores.

O sindicato convida todos os servidores públicos municipais da sua base de atuação territorial, dos municípios de Aurora, Atalanta, Laurentino, Lontras e Rio do Sul, para uma reunião com o objetivo de prestar esclarecimentos e tirar possíveis dúvidas dos trabalhadores sobre essa questão para a próxima segunda-feira (26), a partir das 19h. A reunião acontecerá de forma remota através do Google Meet.