Sinspurs cobra melhorias nas condições de trabalho para os agentes de combate a endemias

Os profissionais responsáveis por zelar e evitar a proliferação de endemias, como a dengue, cobram melhores condições de trabalho para atuar em favor da população
Dengue

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Os servidores públicos que são responsáveis por realizar vistoria de residências, depósitos, terrenos baldios e estabelecimentos comerciais para buscar focos endêmicos, como a dengue, zika,chikungunya e febre amarela, são os agentes de combate a endemias.

São servidores ligados a Secretaria de Saúde, haja vista o importante papel que cumprem evitando a proliferação de alguma doença, como a dengue, causada por algum agente transmissor.

Porém em Rio do Sul esses profissionais precisam de melhores condições de trabalho para poder atuar de forma que a população rio-sulense possa ficar mais segura. A primeira questão que vem há tempo atrapalhando a atuação dos agentes está relacionada com a estrutura física a disposição para o trabalho. O problema vai desde a parte administrativa, que envolve o encaminhamento burocrático, como mesas e computadores ultrapassados e defeituosos que estão à disposição deles para o preenchimento de diversos relatórios, por exemplo. Como também há problema na frota que é usada para o deslocamento desses profissionais para a atuação.

As motos que estão a disposição já se encontram com uma quilometragem alta, pois estão a muito tempo sendo usadas, e necessitam de constante revisão. Alguns veículos se encontram mais tempo parados em manutenção do que em uso.

O outro principal problema encontrado diz respeito ao número de servidores. Hoje o município possui oito agentes, um está ainda afastado por questões de saúde. Para se fazer uma comparação, esses agentes são responsáveis hoje por monitorar aproximadamente 500 armadilhas para o mosquito da dengue. A Secretaria de Saúde do Estado, para um município do porte de Rio do Sul, sugere que seriam necessárias pelo menos 700 armadilhas para realizar o bom controle e evitar a proliferação da doença.

Apesar do número reduzido de pessoal, os servidores que atuam conseguem desempenhar um importante papel tendo em conta que em 2020 o pico de focos da dengue chegou a apenas 32 e houveram apenas 6 suspeitas de pacientes com a doença, mas nenhum caso se confirmou. Em 2019 o município apresentou 15 focos, o que mostra que há um aumento das denúncias de possíveis criadouros. Isso exige um aumento maior no esforço da equipe que dá atenção a população também orientando sobre as precauções a serem tomadas.

Sem falar que existem outros casos de endemias que deveriam ser monitoradas e que é dificultado pelo número de servidores. Rio do Sul este ano já apresentou focos de leishmaniose e de escorpiões.

Segundo a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Rio do Sul e Região, o Sinspurs, Arlete de Souza, a municipalidade já foi notificada dessas condições de trabalho deficitárias dos servidores e já até concordou em tomar providências. “O problema é que já conversamos, mandamos ofício, notificamos, fizemos reunião com secretárias, com diretores e tudo e até agora pouco se caminhou para melhorar as condições para que esses servidores possam atuar da maneira como a nossa população precisa”, afirma Arlete. “Inclusive parece que o município procura o desgaste com o servidor, para você ter ideia, por lei esses servidores que atuam no combate às endemias já possuem direito de receber o adicional de periculosidade. Porém nenhum dos servidores recebeu esse direito ao ser contratado. Todos tiveram que ajuizar ações na justiça para daí sim o município pagar o direito. Eu pergunto, se já é um direito garantido pela justiça, esse desgaste é necessário?”complementa Arlete.