Nota: Licença-prêmio e a Lei Complementar 173/2020

Entrada do escritório do Sinspurs

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A Administração Municipal de Rio do Sul emitiu um informativo dirigido aos servidores, com alguns esclarecimentos e detalhes sobre a licença-prêmio, nesta quinta-feira (06/08/2020).

No documento consta que os servidores que já possuíam período aquisitivo até 26 de maio de 2020 terão acesso à licença-prêmio, desde que comprovadas despesas por motivo de saúde do servidor ou doença em pessoa da família.

Porém, aqueles no qual o período aquisitivo venceu a partir 27 de maio de 2020, o prazo para pagamento está interrompido até 31 de dezembro de 2021.

Na nota a Administração Municipal justifica que tal medida é de iniciativa do Governo Federal e que foi originada a partir da edição da Lei Complementar 173/2020.

Diante de tal situação, o Sindicato dos Servidores Públicos de Rio do Sul e Região (Sinspurs), órgão de representação da classe dos servidores públicos municipais esclarece que a medida mencionada, de fato, foi originada no Governo Federal, mas que apenas legitima o desleixo que a atual gestão municipal possui em relação aos direitos de seus servidores. Desde 2017 o pagamento em pecúnia da licença-prêmio vem se acumulando.

O sindicato também informa que a Lei Complementar 173/2020 é uma medida contrária ao interesse dos servidores públicos, haja vista a determinação clara em violar uma série de direitos já garantidos.

O Sinspurs complementa que tal situação também representa clara violação ao interesse público, haja vista que os servidores públicos também são membros ativos da sociedade e merecem o devido respeito enquanto cidadãos e que as referidas medidas que visam destruir direitos já estão em discussão no Supremo Tribunal Federal (STF).

Por isso, o Sinspurs também informa que não está omisso quanto a tais violações de direitos, e permanecerá acompanhando a discussão da legalidade dos atos junto ao Supremo Tribunal Federal.