Trabalho indecente leva país a recorde de morte de profissionais de enfermagem

Conselho Federal de Enfermagem, confederações, federações e sindicatos precisam acionar a justiça para garantir condições básicas de trabalho para a categoria ficar segura
Enfermeiros, enfermeiras e trabalhadores da saúde

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A pandemia do novo coronavírus trouxe a luz um problema antigo do país e que agora tem prejudicado ainda mais a sobrevivência dos profissionais de enfermagem, que estão na linha de frente no combate à doença à Covid-19, doença causada pelo vírus.

As condições de trabalho precárias, falta de profissionais, o excesso de jornada e o descaso dos governantes em relação aos direitos destes trabalhadores e trabalhadoras agora se misturam a outros problemas que se intensificaram com a pandemia, como falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) adequados e de capacitação para o manejo seguro, de testes, a não dispensa dos trabalhadores e trabalhadoras do grupo de risco e a falta de protocolo de atendimento e de manuseio dos equipamentos para combater de forma segura o coronavírus.

Tudo isso levou o Brasil a ser o 1º país do mundo em mortes de profissionais de enfermagem, superando os Estados Unidos, país com maior número de vítimas da categoria e Espanha e Itália juntas. .

Os Estados Unidos perderam 46 profissionais para a doença, Itália 35 e Espanha apenas um e segundo o Observatório da Enfermagem, site lançado pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) para concentrar os números de infectados, mortes, internações deste profissionais, o Brasil já perdeu 88 enfermeiros, técnicos e auxiliares.

A plataforma já contalizou 10 mil casos reportados, 2.441 confirmados, 7.337 suspeitos e 50 casos de internações, sendo 34 confirmados e 16 com suspeita.

Para o coordenador do Comitê Gestor de Crise do Conselho Federal de Enfermagem, Walkírio Almeida, os dados do observatório são apenas “a ponta do iceberg”. “Estes são os casos identificados, não representam a totalidade”, pontua, se referindo à subnotificação e a falta de transparência dos órgãos públicos em relação aos dados.

 “A qualidade de vida e trabalho destes profissionais é um fator que leva a maior exposição a contaminação do vírus porque, por terem uma remuneração muito baixa, muitas vezes, precisam se redobrar em dupla e tripla jornada de trabalho o que afeta a saúde dos trabalhadores e das trabalhadoras de enfermagem”, afirma Walkirio.

Segundo ele, além disso, a falta protocolos de atendimento e de manuseio dos equipamentos pioram a situação. Walkirio comenta que estudo feito em outros países como China, Itália, Espanha e Estados Unidos aponta que os profissionais de enfermagem correm mais risco de se contaminar na hora que s retiram os EPIs.

“Até dois meses atrás não fazia parte da rotina destes profissionais o uso destes equipamentos com frequência e muitos não foram treinados para manusear. Depois de trabalharem 12 horas ou mais, em contato com pessoas contaminadas ou com suspeitas, os profissionais de enfermagens tiram o EPI de forma errada e acabam sendo contaminados”, explica.

A presidenta da Federação Nacional dos Enfermeiros, Shirley Marshal, apontou também a falta de testagem e a escassez e a falta de qualidade dos EPIs entregues aos profissionais de enfermagem como potenciais fragilidades no contágio e morte pela doença.

“Muitos trabalhadores e trabalhadoras de enfermagem precisam implorar por equipamentos e, às vezes, só recebem máscaras cirúrgicas, que não são adequadas. Fora a falta de testes, que precisam ser feitos em todos e todas periodicamente, e não só em pessoas que estão com sintomas, porque os assintomáticos também podem contaminar outros”, diz Shirley.

A dirigente também fala que está sendo preciso recorrer à Justiça para que as instituições de saúde, pública e privada, dispensem os profissionais de enfermagem que são do grupo de risco, maiores de 60 anos, gestantes e lactoses ou com alguma morbidade.

 “Muitos sindicatos têm entrado na justiça para garantir estes afastamentos necessários para proteger vidas e muitas vezes eles não são afastados e ainda são ameaçados de demissão”, destaca.

Descumprimento e ataque aos direitos

Shirley ainda faz outra importante denúncia em relação à retirada de direitos dos profissionais, sem discussão com o sindicato.

“O descumprimento de direitos é outra grande reclamação que temos recebido, além de muitos casos de excesso de jornada, algumas instituições têm alterado contratos e reduzido jornada e salários sem diálogo com os sindicatos e impedindo que os profissionais de enfermagem tirem férias e licenças, o que tem levado estes profissionais ao adoecimento”, destaca.

Segundo Shirley a Federação tem enviado orientações aos sindicatos em relação às Medidas Provisórias (MP) nº 927 e 936, editadas por Jair Bolsonaro (sem partido), que permitem que os trabalhadores da saúde façam jornadas sem limites de horas, que as empresas suspendam normas relacionadas à saúde e segurança no trabalho e permitem o acordo individual, enquanto durar o estado de calamidade pública.

Ações em defesa dos profissionais de enfermagem

Além disso, conta ela, a Federação e entidades parceiras entraram com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra estas medidas e irão ingressar com ações que garantam EPIs adequados, o afastamento dos profissionais do grupo de risco e para que tenham acesso a testagem periódica para todos e todas.

Shirley também disse que a entidade está interagindo com parlamentares para tratar sobre projetos de leis de extrema relevância para proteger os profissionais de enfermagem e de saúde como um todo e que muitas vezes só falta vontade política para seguir com a tramitação no Congresso Nacional.

“Estamos falando com o deputado Carlos Veras (PT-PE), que tem um projeto que dispõe de um adicional de insalubridade de 40% nos salários destes profissionais. Estamos pressionando a Casa para que seja votado o mais rápido possível e ainda estamos falando com vereadores para que reproduzam leis similares nas cidades”, afirma.

E ainda, segundo Shirley e Walkirio, há uma pressão de que seja votado logo e com urgência o Projeto de Lei 2295/00, que modifica o artigo 2º da lei 7498/86, fixando a jornada de trabalho em seis horas diárias e trinta horas semanais para os profissionais de enfermagem, o Projeto de Lei 2573/11, fixa o piso salarial e o Projeto de Lei do Senado 349/2016, que estabelece aposentadoria especial para estes profissionais.

Em todo país já são mais de dois milhões de trabalhadores e trabalhadoras da enfermagem, entre auxiliares, enfermeiros, técnicos e obstetrizes, segundo o Conselho Federal de Enfermagem.

São Paulo é um dos piores estados em relação à Covid-19

A enfermeira, Vanessa Justino, que trabalha em um hospital público em São Bernardo do Campo, disse que ainda não tem nenhum óbito entre as colegas, mas há um grande número de infectados e afastados pela doença.

Os profissionais estão indo trabalhar com tristeza, olheira e muitas vezes com rostos machucados por causa do uso da máscara, conta Vanessa. Segundo ela, antes da pandemia os profissionais da UTI tinham EPIs a vontade e agora isso mudou muito, não está faltando, estão sendo regulados.

“Agora temos que passar no almoxarifado ou na farmácia para pegar o equipamento para a noite toda e ainda tem que assinar um protocolo. Trabalhar em UTI tá muito difícil, vendo macas passando com mortos e colegas chorando e a gente precisa rezar todos os dias pedindo proteção de Deus e para ver se nos dão mais equipamentos”, contou Vanessa com a voz embargada pelo choro.

A presidenta do Sindicato dos Enfermeiros em São Paulo, Solange Caetano, disse que os profissionais têm reclamado muito das condições de trabalho mesmo, e que a falta de um local de descanso e o número de trabalhadores e trabalhadoras no mesmo local facilitam a contaminação.

“Temos denunciado ao MPT as condições de trabalho e a falta de EPIs, ingressamos com várias ações, inclusive contra o Hospital Mandaqui e outra contra uma instituição de Guarulhos para garantir os equipamentos e afastar os profissionais que são grupo de risco”, afirma Solange.

“Além disso, encaminhamos uma solicitação ao Governo do Estado de que instalasse uma mesa técnica com a participação dos sindicatos para discutirmos ações para proteção destes trabalhadores e trabalhadoras”.

O sindicato propôs ao Conselho Estadual de Saúde algumas medidas emergenciais de segurança aos trabalhadores e trabalhadoras, como imediata recomposição dos contingentes de profissionais dos serviços de saúde do Estado de São Paulo, fornecimento de capacitação para o manejo seguro do coronavírus, criação um mecanismo para fiscalização, disponibilização de quartos em hotéis para os profissionais que têm restrições para retornar aos seus lares e a criação de locais apropriados para descanso dos profissionais que estão em jornada extenuante, entre outras.

“Através de ação conjunta da Federação Nacional dos Enfermeiros e a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde ajuizamos no Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra as regras trazidas pela Medida Provisória – MP 927/2020, que afrontam o princípio da igualdade e da proporcionalidade, o direito à saúde e à dignidade humana, protegidos constitucionalmente”, destaca Solange.

Fonte: CUT